Home / 2/5 / [Opinião] O Quarto Arcano – O Porto das Tormentas, de Florencia Bonelli

[Opinião] O Quarto Arcano – O Porto das Tormentas, de Florencia Bonelli

Autor: Florencia Bonelli
Título Original: El Cuarto Arcano. El Puerto de las Tormentas (2007)
Série: O Quarto Arcano #2
Editora: Porto Editora
Páginas: 688
ISBN: 9789720041937
Tradutor: Isabel Fraga
Origem: Comprado

Sinopse: Em O Porto das Tormentas, segundo e último volume de O Quarto Arcano, Florencia Bonelli dá continuidade à história de Roger Blackraven e Melody Maguire, com que os leitores se familiarizaram em O Anjo Negro.
Depois de abandonar Buenos Aires, Blackraven chega às costas brasileiras com os seus primos Marie e Luís Carlos, filhos de Luís XVI e Maria Antonieta, cujas vidas estão em perigo. Aí irá encontrar velhos companheiros de aventuras: o padre jesuíta Malagrida e Adriano Távora, sempre disponíveis para o ajudar nas situações mais difíceis.
O domínio de Napoleão sobre a Europa é cada vez mais apertado e obriga os ingleses a procurar na América do Sul novos mercados – comandada pelo almirante Beresford, a invasão inglesa está iminente…
Novos personagens e novos cenários acompanham as aventuras do Escorpião Negro desde a costa americana até à velha Europa. O Porto das Tormentas é um romance repleto de acção: conspirações, assassinatos e abordagens em alto mar fazem desta leitura uma experiência quase cinematográfica.

Opinião: Como referi na opinião do primeiro livro, não parti para este segundo volume com grandes expectativas. A não ser que o tom da narrativa se alterasse significativamente, o mais certo era que esta leitura ficasse ao mesmo nível da anterior. Uma vez que tinha comprado este livro antes de ler o primeiro, decidi lê-lo mas com um pé atrás.

A verdade é que não há novidades ou alterações de maior. O foco do livro continuou a ser os dois protagonistas, Roger e Melody, e a sua relação melosa e obssessiva. Desta vez, houve mais alguns desenvolvimentos paralelos de interesse, relativos ao interesse inglês nas colónias sul-americanas (como se sabe, neste período, também os portos brasileiros se abriram ao comércio inglês depois do Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas), o que revela que a autora se documentou bem para a construção do contexto no qual o enredo se desenrola.

Mas quando saímos do contexto histórico e entramos no enredo propriamente dito, há pouco de novo a acrescentar em relação ao que já referi na opinião anterior. Na realidade, há uma revelação inesperada mas que funciona pura e simplesmente como pretexto para que o casal protagonista se zangue e depois se reconcilie. Continuam os diálogos repetitivos, que revelam um amor obsessivo e possessivo e que, para mim, estragam por completo o eixo central e o que devia ser o motor da história. Gosto de um bom romance, mas não assim. A leitura, apesar de bastante rápida, foi penosa; cheguei ao fim sem pena que o livro tivesse terminado e sem vontade de voltar a ler o que quer que seja desta autora.

Esta história tem os seus méritos, especialmente a nível de construção histórica, mas de um modo geral não me cativou.

Classificação: 2/5 – OK


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.