Home / 3.5/5 / [Opinião] A Rainha no Palácio das Correntes de Ar, de Stieg Larsson

[Opinião] A Rainha no Palácio das Correntes de Ar, de Stieg Larsson

Nota prévia: tanto a sinopse do livro como a opinião contêm spoilers para quem não leu o volume anterior da série

Autor: Stieg Larsson
Título Original: Luftslottet som sprängdes (2007)
Série: Millennium #3
Editora: Oceanos
Páginas: 720
ISBN: 9789892305332
Tradutor: Mário Dias Correia (do inglês)
Origem: Comprado

Sinopse: Lisbeth Salander sobreviveu aos ferimentos de que foi vítima, mas não tem razões para sorrir: o seu estado de saúde inspira cuidados e terá de permanecer várias semanas no hospital, completamente impossibilitada de se movimentar e agir. As acusações que recaem sobre ela levaram a polícia a mantê-la incontactável. Lisbeth sente-se sitiada e, como se isto não bastasse, vê-se ainda confrontada com outro problema: o pai, que a odeia e que ela feriu à machadada, encontra-se no mesmo hospital com ferimentos menos graves e intenções mais maquiavélicas… Entretanto, mantêm-se as movimentações secretas de alguns elementos da Säpo, a polícia de segurança sueca. Para se manter incógnita, esta gente que actua na sombra está determinada a eliminar todos os que se atravessam no seu caminho. Mas nem tudo podia ser mau: Lisbeth pode contar com Mikael Blomkvist que, para a ilibar, prepara um artigo sobre a conspiração que visa silenciá-la para sempre. E Mikael Blomkvist também não está sozinho nesta cruzada: Dragan Armanskij, o inspector Bublanski, Anika Gianini, entre outros, unem esforços para que se faça justiça. E Erika Berger? Será que Mikael pode contar com a sua ajuda, agora que também ela está a ser ameaçada? E quem é Rosa Figuerola, a bela mulher que seduz Mikael Blomkvist?

Opinião: Depois de terminar o livro anterior, que deixa o leitor em suspense, tive de pegar rapidamente neste para descobrir qual o destino de Lisbeth Salander, que havia sofrido graves ferimentos, e que final teria toda a conspiração que envolveu a sua família, em especial o pai. A jovem encontra-se hospitalizada e, consequentemente, sob a alçada da polícia devido às suspeitas que sobre ela recaem, pelo que se torna ainda mais complicado para Lisbeth conseguir utilizar as suas habilidades para conseguir provar a sua inocência.

Com mais de 700 páginas, é um livro que se debruça essencialmente sobre o desvendar de toda a conspiração que rodeou Lisbeth desde pequena, o que incluiu variadas investigações, inquéritos e procedimentos policiais, que acabam por culminar num julgamento. Este julgamento foi, para mim, a parte mais interessante e bem escrita do livro, com os constantes argumentos e contra-argumentos. O que leva o leitor até esse momento é um mergulho no funcionamento da polícia secreta Sapo e aos avanços e recuos da investigação, interessante algumas das vezes, mas nas outras algo maçudo e cansativo. Julgo que o livro acaba por sofrer pelo facto de a personagem principal passar a maioria do tempo deitada numa cama de hospital, sem poder fazer grande coisa para se defender.

De uma maneira geral, considero que esta trilogia é uma leitura viciante, com personagens interessantes e que merece parte da atenção que lhe tem sido atribuída, algo empolada pelas circunstâncias que envolvem o seu autor. Não são livros isentos de falhas, como referi nesta e nas opiniões anteriores, mas considero que são um bom entretenimento, ficando assim alguma pena por não haver mais para ler. Apesar de ser uma série que estava prevista para mais volumes, interrompida pela trágica morte de Stieg Larsson, o terceiro livro não deixa pontas soltas (pelo menos, pontas soltas importantes), pelo que funciona bem como conclusão.

Uma nota final as edições portuguesas. Aquando do lançamento do 3.º livro, a editora decidiu alterar o design da série, lançando também os dois primeiros volumes de acordo com esse novo look. Quem comprou a versão inicial dos dois primeiros livros fica, assim, sem a possibilidade de ter os livros todos iguais. 

Classificação: 3,5/5

Livro n.º 100 de 2010 – Desafio cumprido! 😀


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.