Home / 4/5 / [Opinião] A Noiva Indiana, de Karin Fossum

[Opinião] A Noiva Indiana, de Karin Fossum

Autor: Karin Fossum
Título Original: Elskede Poona (2000)
Editora: Oceanos
Páginas: 280
ISBN: 9789892305639
Tradutor: José Mendonça da Cruz
Origem: Empréstimo

Sinopse: Gunder Jomann, um pacato solteirão vendedor de máquinas agrícolas, parte para a Índia à procura de uma noiva, inspirado pelas imagens de lindíssimas mulheres de saris coloridos que vira num livro. Aí conhece Poona, a mulher dos seus sonhos, casa-se com ela e regressa à sua remota aldeia, na fria Noruega, onde espera que Poona se lhe reúna dentro de poucas semanas. O desastre de automóvel da irmã impede-o de ir esperá-la ao aeroporto e o motorista de táxi que enviara para a trazer regressa sozinho. É então que a aldeia recebe, horrorizada, a notícia de que foi encontrado, num prado próximo da casa de Gunder, o cadáver ensanguentado de uma mulher indiana. Ninguém consegue acreditar que, entre a boa gente de Elvestad, haja alguém capaz de um crime tão abominável. Mas a verdade é que as boas pessoas são, por vezes, capazes do pior e ninguém é totalmente inocente.

Opinião: Este é um daqueles livros para o qual não teria olhado uma segunda vez se tivesse apenas em conta o título e a capa, porque ambos estes elementos remetem para aquelas histórias biográficas sobre mulheres mal tratadas em países com costumes muito rígidos (por norma, de sociedades orientais), dos quais não sou particularmente fã. Pois este livro não tem absolutamente nada a ver; trata-se de um policial nórdico muito interessante e diferente de todos os policiais que já tinha lido antes.

Em linhas gerais, conta a história do norueguês Gunder, um homem de meia-idade que parte para a Índia em busca de esposa. Lá, casa-se com Poona e regressa ao seu país sozinho, tendo de esperar que a sua mulher trate de alguns assuntos no seu país e se junte a ele dali a algum tempo. No entanto, quando Poona viaja para a Noruega, Gunder vê-se impedido de a ir buscar ao aeroporto e perde o rasto da mulher. Mais tarde, é encontrado um corpo que corresponde à descrição física de Poona e inicia-se aí a investigação para descobrir o que realmente aconteceu.

Este livro pertence à série que relata as investigações do Inspector Konrad Sejer e é já o quinto volume; anteriormente, tinham sido publicados pela Editorial Presença o primeiro e o segundo da série (A Ilusão de Eva e O Olhar de um Desconhecido, respectivamente). No entanto, o facto de não ter lido os anteriores não estraga a leitura, pois as questões de continuidade não se colocam aqui. Ao longo da história, vamos acompanhando a perspectiva de várias personagens envolvidas neste caso, não só da polícia como das próprias testemunhas, o que nos dá uma visão alargada sobre as dificuldades associadas à investigação de um crime desta natureza e também a todas as vicissitudes que envolvem os testemunhos e a diferença que podem fazer os pequenos detalhes.

A caracterização da localidade de Elvestad e dos seus moradores percorre todo o livro de forma discreta mas muito eficaz, uma vez que o leitor sente-se constantemente lá. Foi um livro que me agarrou e que é muito difícil pousar a partir de certa altura. E adorei o final, pela ambiguidade que acaba por emprestar à história um carácter bastante realista. Porque, também na vida, nem sempre a verdade é completamente linear. 

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante

Livro n.º 90 de 2010


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.