Home / 3/5 / [Opinião] Caderneta de Cromos, de Nuno Markl

[Opinião] Caderneta de Cromos, de Nuno Markl

Autor: Nuno Markl
Ilustrações: Patrícia Furtado
Editora: Objectiva
Páginas: 224
ISBN: 9789896720445
Origem: Comprado

Sinopse: Em O Homem Que Mordeu o Cão, Nuno Markl contou histórias muito bizarras. Mas haverá história mais bizarra do que crescer nas décadas de 70 e 80? Dos microfones da Rádio Comercial para as páginas profusamente ilustradas desta edição, eis a Caderneta de Cromos – reunindo uma centena dos mais bombásticos e inesquecíveis cromos da nossa infância e juventude!

Opinião: O programa radiofónico O Homem Que Mordeu o Cão marcou o final da minha adolescência, de tal modo que mesmo quando estava de férias punha o despertador a tocar para poder ouvir as duas sessões diárias, pouco antes das 9 e das 10. Foram bons tempos, na companhia de Nuno Markl, Pedro Ribeiro, José Carlos Malato e Ana Lamy, sendo estes dois últimos mais tarde substituídos pela Maria de Vasconcelos. Confesso que desde que o Nuno Markl se mudou para a Antena 3 e, agora, para a Rádio Comercial, não o tenho acompanhado como dantes, porque não achava tanta graça aos novos modelos de programa radiofónicos. Também não acompanhei o programa “Caderneta de Cromos”, mas devido à temática e porque teve tanto sucesso, decidi comprar o livro.

O livro reúne nas suas páginas os textos que deram origem às várias emissões desse programa, com duas páginas por texto, num total de 100, constituindo cada um deles um regresso ao passado e às várias coisas que marcaram as pessoas que cresceram nos anos 70 e 80. Os textos encontram-se divididos de acordo com o género de cromo em causa: coisas que usámos, coisas que comemos, coisas com as quais brincámos, coisas que víamos na televisão, coisas que ouvíamos… E foi muito bom recordar. Houve alguns cromos dos quais não me lembro porque estiveram em voga antes de nascer ou quando era muito pequena (especialmente na parte dos programas de TV), mas da maioria tenho boas lembranças. Ficam saudades, por exemplo, do programa “Agora Escolha” ou do “Dartacão”, das pastilhas Gorila, de brincar ao elástico ou da autêntica aventura que era tentar apanhar na rádio a música que tanto gostávamos para a gravar numa cassette e da raiva que dava quando o locutor falava por cima da música 😀

Não deixa de ser um exercício interessante comparar a minha infância e as coisas com que brincava ou passava o meu tempo com o que ocorre nos dias de hoje. Não vou dizer que tive uma infância melhor do que as crianças de hoje, foi apenas diferente. Certamente que daqui a alguns anos, também as crianças de hoje recordarão as suas infâncias com nostalgia face ao que existir nessa altura. Este livro tem o condão de nos fazer viajar a uma época em que éramos completamente felizes e pouca noção tínhamos disso. Valeu pelas recordações. 

P.S. – Para quem quiser, encontra-se à venda na FNAC, por 5€, um pack com os 100 cromos e um tubo de cola Cisne para podermos colar os cromos à moda antiga à medida que formos lendo.

Classificação: 3/5 – Gostei

Livro n.º 87 de 2010


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.