Home / 8/10 / [Opinião] A Porta dos Infernos, de Laurent Gaudé

[Opinião] A Porta dos Infernos, de Laurent Gaudé

Autor: Laurent Gaudé
Título Original: La Porte des Enfers (2008)
Editora: Porto Editora
Páginas: 240
ISBN: 9789720042828
Tradutor: Isabel St. Aubyn
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: A caminho da escola, levado pela mão do pai, Pippo é atingido por uma bala perdida no meio de uma refrega das máfias de Nápoles. Matteo e Giuliana, os pais, passam a viver obcecados pela vingança – mas Matteo não consegue a coragem necessária para abater Cullaccio, o responsável pela morte do seu filho.
Abandonado pela mulher, Matteo vagueia pela noite de Nápoles, onde travará conhecimento com um conjunto de personagens estranhos: Grace, um travesti felliniano, Garibaldo, dono de um café que permanece aberto toda a noite, o velho padre Mazerotti e o professore Provolone, um especialista em questões esotéricas que lhes garante que é possível descer aos Infernos e que conhece, na própria Nápoles, uma das entradas possíveis.
Acompanhado do padre, Matteo aventura-se então nas entranhas do Reino dos Mortos em busca do seu filho perdido…

Opinião: A Porta dos Infernos é o mais recente livro do escritor francês Laurent Gaudé, tendo vencido o Prémio Goncourt em 2004. Deste autor, já foram também traduzidos em Portugal, os livros Noite Dentro, Moçambique e Outras Narrativas, O Sol dos Scorta, Eldorado e A Morte do Rei Tsongor (todos das Edições ASA).

Neste livro, seguimos duas linhas temporais: 1980, quando Pippo foi atingido acidentalmente por uma bala, e todos os acontecimentos que lhe sucederam, nomeadamente a dor dos seus pais, a partida de Giuliana e a descida de Matteo ao Inferno para resgatar o filho; 2002, quando Pippo persegue o homem que o baleou para poder, finalmente, conseguir vingar os acontecimentos de há 22 anos.

Esta é uma história que fala sobre o efeito devastador que a morte de um ente querido pode ter na vida das pessoas. Não pretende ensinar-nos a lidar com a dor, antes descreve a eterna vontade que temos de poder voltar a rever quem perdemos e de, muitas vezes, reparar a injustiça que essa impossibilidade traz consigo. É uma história forte, cheia de momentos de reflexão a juntar a elementos fantásticos/de terror. A descida ao Inferno é particularmente impressionante, e apresenta uma visão muito negativa da transição das almas para a paz eterna.

Gostei bastante da escrita de Laurent Gaudé, da forma e carácter que deu às suas personagens. A única crítica que posso fazer-lhe é que gostaria que o livro tivesse sido um pouco mais desenvolvido, em especial no que se refere às personagens secundárias. De resto, bastante recomendado.

Classificação: 8/10 – Muito Bom


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.