Home / 8/10 / [Opinião] A Sombra da Águia, de Arturo Pérez-Reverte

[Opinião] A Sombra da Águia, de Arturo Pérez-Reverte

Autor: Arturo Pérez-Reverte
Título Original: La Sombra del Águila (1992)
Editor: Porto Editora
Páginas: 120
ISBN: 9789720045157
Tradutor: Helena Pitta
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: A Sombra da Águia, que Arturo Pérez-Reverte publicou em 1993 nas páginas do El País sob a forma de folhetim, e que se encontrava até hoje inédita em Portugal, é, na sua aparente simplicidade, uma das obras que melhor espelha o virtuosismo literário do seu autor, o seu sentido de humor e a sua fidelidade aos grandes temas do ser humano, como a guerra, o heroísmo anónimo e a noção de Pátria.
A história é baseada num acontecimento real: em 1812, durante a Campanha da Rússia, num combate adverso para as tropas napoleónicas, um batalhão de antigos prisioneiros espanhóis, alistados à força no exército francês, tenta desertar, passando-se para os russos. Interpretando erroneamente o movimento, o Imperador encara-o como um acto de heroísmo e envia em seu auxílio uma carga de cavalaria que terá consequências imprevisíveis.
Ao mesmo tempo divertido e trágico, A Sombra da Águia revela-nos uma visão mordaz e descarnada da guerra e da condição humana. Uma pequena pérola com a assinatura do mais importante escritor espanhol da actualidade.

Opinião: Foi com uma grande curiosidade que parti para a leitura desse livro. A crítica da Célia, juntamente à vontade, longínqua, de ler algumas obras deste autor foram os ingredientes ideais para eu devorar este livro.

A história versa sobre um batalhão de soldados espanhóis que, durante a Campanha da Rússia, se preparam para desertar e tentar passar para o lado dos russos, mas tal decisão é interpretada pelo franciú Anão, Napoleão Bonaparte, como um acto de coragem e irá considerá-los como uns verdadeiros heróis. Como tudo na vida, as trapalhadas só poderia dar origem a… trapalhadas.

O livro é muito divertido, lê-se com uma facilidade e com sorriso largo, é uma história contada de forma descontraída e com um humor muito mordaz. Embora saiba que nem todos os outros livros de Pérez- Reverte têm este humor, fiquei com maior curiosidade em ler mais das restantes obras.

Por último, também não posso esquecer a referência à tradução, com tantos termos populares, com tantas referências humorísticas, penso que captou de forma excelente o espírito da história. – Ricardo

Classificação: 8/10 – Muito Bom


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.