Home / 8/10 / [Opinião] Antes Que Seja Tarde, de Jacquelyn Mitchard

[Opinião] Antes Que Seja Tarde, de Jacquelyn Mitchard

Autor: Jacquelyn Mitchard
Título Original: The Breakdown Lane (2005)
Editora: Editorial Presença
Páginas: 376
ISBN: 978-972-23-4165-3
Tradutor: Fátima Andrade
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Todos os domingos, Julieanne ajuda a orientar as vidas de pessoas que não conhece, através da sua coluna de aconselhamento no jornal local. Mas, um dia, é Julieanne que necessita desesperadamente de uma orientação, quando vê o seu mundo desabar não obstante todo o amor, energia e criatividade que sempre investiu nele. Com o talento, a elegância e a profundidade a que desde sempre nos habituou, Jacqueline Mitchard coloca-nos diante de personagens extraordinariamente humanas, com vidas comuns, agitadas pelo mar revolto das emoções, da esperança, do amor, do desespero e de uma imensa vontade de vencer. Uma obra de grande sensibilidade e optimismo que é um belíssimo hino à vida.

Opinião: Desconhecia a literatura de Jacquelyn Mitchard e nada melhor do que ler para conhecer. Verdade seja dita que o interesse da sinopse também contou, sobretudo porque alguns dos temas visados são demasiado reais para que os púnhamos de lado. Antes que seja tarde é, de certo modo, uma lição de vida e um alento, mesmo que seja apenas ficção, e estará disponível a partir de hoje.

A família de Julieanne, a protagonista, é a típica família feliz e realizada até ao dia em que toda a sua estrutura é abalada pelas repentinas mudanças do marido. A partir de então, a normalidade deixa de existir, mas nunca ninguém a consegue (ou quer) assumir. A mudança acaba por marcar todas as personagens, ainda para mais quando vem acompanhada de outros problemas, nomeadamente do foro clínico. Grande parte da acção da obra centra-se, sem dúvida, num renascer e numa readaptação da família às novas realidades, destacando-se os dramas, as conquistas e os medos por que passa cada um dos elementos da família.

O livro tem a particularidade de ser narrado a duas vozes: a de Julieanne e do seu filho Gabe. Os capítulos desta começam sempre por algumas perguntas de aconselhamento pessoal e/ou amoroso, mercê da sua profissão na obra, que nos levam a pensar. Dão um cariz muito real à estória e tornam a mesma diferente e agradável. Quanto a Gabe, os seus capítulos são mais pessoais, um diário mesmo, onde desabava com os leitores e partilha o seu sofrimento, tendo em conta que, de todos os filhos da protagonista, é o mais próximo dela e o que tem mais noção do que se passa. Contudo, é nestes capítulos que o leitor conhece mais desenvolvimento da acção.

A autora Jacquelyn Mitchard tem uma escrita bastante fluida e agradável. Confesso que existem partes que são bastante marcantes, onde a emoção espreita, e, enquanto mulher, é impossível não simpatizarmos com a protagonista e, por conseguinte, com todos que estão a seu lado. De forma simples e sem grande realce, há também, para mim, uma mensagem sobre quanto a amizade é importante, quando todas as nossas bases de apoio e discernimento desaparecem. – Cristina

Classificação: 8/10 – Muito Bom


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.