Home / 8/10 / [Opinião] A Vida em Surdina, de David Lodge

[Opinião] A Vida em Surdina, de David Lodge

Autor: David Lodge
Título Original: Deaf Sentence (2008)
Editora: ASA
Páginas: 336
ISBN: 9789892304762
Tradutor: Tânia Ganho
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Quando decide pedir a reforma antecipada, o professor universitário Desmond Bates nunca pensou vir a sentir saudades da azáfama das aulas. A verdade é que a monotonia do dia-a-dia não o satisfaz. Para tal contribui também o facto de a carreira da sua mulher, Winifred, ir de vento em popa, reduzindo o papel de Desmond ao de mero acompanhante e dono de casa. Mas o que o aborrece verdadeiramente é a sua crescente perda de audição, fonte constante de atrito doméstico e constrangimento social. Desmond apercebe-se de que, na imaginação das pessoas, a surdez é cómica, enquanto a cegueira é trágica, mas para o surdo é tudo menos uma brincadeira. Contudo, vai ser a sua surdez que o levará a envolver-se, inadvertidamente, com uma jovem cujo comportamento imprevisível e irresponsável ameaça desestabilizar por completo a sua vida.

Opinião: Confesso que nunca tinha lido nenhum livro deste autor (julgo mesmo que nem sequer tinha ainda ouvido o seu nome), por isso, e depois de ler algumas opiniões positivas, foi com algum alguma expectativa que iniciei esta leitura.

David Lodge faz-nos entrar na mente de Desmond Bates, um ex-professor universitário com problemas sérios de surdez, que está a braços com a sua recente entrada na reforma e consequente monotonia, ao mesmo tempo que lida com a sua bem sucedida esposa, com o seu pai idoso e com uma estudante que o procura como orientador numa tese de mestrado com um tema algo invulgar. Todas estas situações e relações são constantemente influenciadas pelos problemas de audição de Desmond, e os mal-entendidos adquirem muitas vez um tom cómico.

Este foi um livro que gostei imenso de ler, porque, apesar de em termos de história não ser propriamente muito dinâmico (para além da situação com a aluna universitária, não acontece muita coisa), a forma cativante como David Lodge nos relata o dia-a-dia de Desmond faz-nos virar página atrás de página, como se fôssemos levados numa viagem deliciosa, sem destino fixo. Fiquei decididamente com vontade de experimentar mais livros deste autor inglês.

Excelente trabalho de tradução de Tânia Ganho, especialmente tendo em conta a dificuldade de manter o sentido original dos mal-entendidos provocados pela falta de audição da personagem principal. E, de um modo geral, toda a tradução está muito boa.

Classificação: 8/10 – Muito Bom


Sobre Célia

  • Madrigal

    Do David Lodge li apenas o “Pensamentos Secretos”. Tem uma história de amor mt, mas mesmo mt banal, apesar de existirem algumas surpresas. No entanto, é um bom livro. Tem a particularidade de ser escrito a três vozes: uma feminina, outra masculina (são as personagens principais) e ainda um narrador.
    O tema de fundo: a inteligência artificial e a consciencia é interessante, fascinante eu fiquei cheia de vontade de ler livros sobre o assunto. Vale mesmo a pena ler o livro. Recomendo!
    Desde então tenho vontade de ler mais livros deste escritor. Este “a vida em surdina” parece ser uma boa escolha! 🙂

  • Canochinha

    Madrigal, obrigado pela dica! Vou anotar 🙂

  • Behmaria

    Canochinha, “A Troca” e “Duras Verdades”. Mais dois livros deste autor que recomendo.

  • Canochinha

    Behmaria, obrigado! Também já anotei 🙂

  • Homem do Leme

    Canochinha,

    li há alguns anos “Um almoço nunca é de graça” também deste autor. Sei que na altura gostei

  • Canochinha

    Homem do Leme, obrigado por mais uma dica! Parece que este escritor tem mais livros do que julguei 🙂

  • bauny

    Que bom que gostaste! Eu aprecio muito este autor. Já li ‘A troca’, Noticias do paraiso’ e ‘O mundo é pequeno’. Tem um sentido de humor britanico… 😉 Boas Leituras!!

  • marcia

    Também gosto do David Logde. Li o “Pensamentos Secretos” e “Longe do Abrigo”. Recomendo ambos!

  • Carla Martins

    Fiquei curiosa para ler! 🙂

  • Brown-eyed Girl

    Também já li muita coisa do Lodge. Trouxe uma vez “Um almoço nunca é de graça” da biblioteca e, como gostei, acabei por trazer tudo o que lá tinham dele.
    Confesso que após 3 livros (ainda por cima seguidos) começa a ser um bocadinho “mais do mesmo”, mas é bastante bom.

    Xanoquita

  • Cristina

    Não conheço nada deste autor, mas a tua crítica deixou-me intrigada. Parece diferente mas bom e isso é sempre de experimentar para renovarmos os nossos gostos literários.

    Será que te podemos pedir para leres mais devagarinho? 😀

  • Anonymous

    “um dia o museu britânico vem abaixo”

  • Anonymous

    É um livro óptimo! Também não conhecia o autor. Depois de "A vida em surdina" já li "Um dia o Museu Britânico vem abaixo" e estou agora a ler "Até onde se pode ir".

  • coloquei um link deste post no meu blog, espero que nao te importes.
    Boas leituras!

    • Estante de Livros

      No problem 😉