Home / 8/10 / [Opinião] O Labirinto Perdido, de Kate Mosse

[Opinião] O Labirinto Perdido, de Kate Mosse

Autor: Kate Mosse
Título Original: Labyrinth (2005)
Editora: Dom Quixote
Páginas: 680
ISBN: 9789722029698
Tradutor: Ana Lourenço
Origem: Comprado 

 Sinopse: Em Julho de 1209: em Carcassone, uma rapariga de dezassete anos recebe do pai um livro misterioso que ele afirma conter o segredo do verdadeiro Graal. Embora Alaïs não consiga perceber as palavras e os estranhos símbolos no seu interior, sabe que o seu destino é protegê-lo. Será necessário sacrifício e fé para manter em segurança o segredo do labirinto – um segredo que remonta a milhares de anos e tem origem nos desertos do Antigo Egipto…

Em Julho de 2005: Alice Tanner descobre dois esqueletos durante uma escavação arqueológica nas montanhas perto de Carcassonne. No interior da sepultura onde se encontram os ossos, ela pressente uma avassaladora sensação de malevolência e constata assustada que, por mais impossível que pareça, é capaz de compreender as misteriosas palavras antigas que estão gravadas na rocha. Alice apercebe- se demasiado tarde que desencadeou uma assustadora sequência de acontecimentos que é incapaz de controlar e que o seu destino se encontra inexplicavelmente ligado ao dos cátaros, oitocentos anos antes.

Opinião: Andava com este livro debaixo de olho desde que saiu, mas só há pouco o comprei por 10€, aproveitando uma promoção. Tanto as opiniões que li, como o próprio livro, comparam-no com o Dan Brown, com a referência que este é mais bem escrito e baseado numa pesquisa mais bem feita. Se é certo que o livro versa sobre a já eterna questão do Santo Graal, tal como O Código Da Vinci, não é menos verdade que é muito mais histórico que o livro de Dan Brown.

Tal como indica a sinopse, a acção deste livro decorre em duas épocas distintas: o presente e a época medieval, no início do Séc. XIII. O elo de ligação entre as duas épocas são as mulheres que protagonizam cada uma das histórias, Alaïs e Alice, e o mistério que rodeia o Santo Graal. Nas partes do livro dedicadas à época medieval, temos oportunidade de tomar conhecimento das várias lutas existentes no Languedoc, onde viviam os Cátaros, que nessa época começaram a ser perseguidos como hereges. A situação política é muito bem descrita e os detalhes históricos muito bem apresentados. Para além da envolvente, a história é também muito conseguida, tal como as personagens – com destaque para a protagonista, Alaïs. Apesar de, à partida, me sentir tentada a afirmar que gostei mais da parte do livro que decorre no período medieval, não deixa de ser verdade que os elementos policiais e de suspense que povoam o segmento passado na actualidade foram muito interessantes e nunca deixaram que o ritmo do livro diminuísse. Só foi pena a previsibilidade de alguns factos, mas de resto nada a apontar.

Kate Mosse tem uma escrita agradável e competente, talvez um pouco descritiva a espaços. Julgo que as quase 700 páginas deste livro poderiam ter sido reduzidas, que o interesse da história não se perderia. De qualquer forma, recomendo! 

Classificação: 8/10 – Muito Bom


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.