Home / Célia / [Opinião] Cross Stitch, de Diana Gabaldon

[Opinião] Cross Stitch, de Diana Gabaldon

Ano de Publicação: 1991
Série: Outlander #1
Editora: Arrow Books
Páginas: 864
ISBN: 9780099911708 
Origem: Comprado
Sinopse: In 1945, Claire is back from the war and reunited with her husband on a second honeymoon in Scotland. Innocently, she walks through a stone circle in the Highlands, and finds herself in a violent skirmish taking place in 1743. Suddenly she is a Sassenach, an outlander, in a country torn by war and by clan feuds. A wartime nurse, Claire can deal with the bloody wounds that face her. But it is harder to deal with the knowledge that she is in Jacobite Scotland and the carnage of Culloden is looming. Marooned amid the passion and violence, the superstition, the shifting allegiances and the fervent loyalties, Claire is in danger from Jacobites and Redcoats – and from the shock of her own desire for James Fraser, a gallant and courageous young Scots warrior. Jamie shows her a passion so fierce and a love so absolute that Claire becomes a woman torn between fidelity and desire, and between two vastly different men in two irreconcilable lives.

Opinião: No início de Cross Stitch (ou Outlander), de Diana Gabaldon, encontramos a enfermeira Claire Beauchamp Randall, numa época pós-Segunda Guerra Mundial, a desfrutar de uma segunda lua-de-mel com o seu marido Frank, na Escócia. Este período de acalmia é interrompido quando Claire se vê inadvertidamente transportada no tempo para a Escócia dos Clãs, no século XVIII. Aí, tem de lutar para se adaptar ao estilo de vida, às pessoas e hábitos que a rodeiam, mas principalmente terá de saber lidar com o facto de se apaixonar pelo jovem Jamie Fraser.

Apesar de a premissa deste livro parecer relativamente implausível, a verdade é que o realismo, tanto das personagens como dos cenários, é um dos pontos fortes deste livro. A personagem principal do livro (a história é contada na primeira pessoa) não parece saída de um conto de fadas, mas é real, com dilemas e preocupações como todos temos… Impossível não gostar dela. Todas as outras personagens são muito reais e a tom da narrativa faz-nos sentir, tal como a heroína, transportados no tempo.

Diana Gabaldon tem um estilo muito próprio, apresentando uma escrita num tom levemente irónico, mas muitas vezes profundo e intenso. Gostei de acompanhar as aventuras da personagem principal, as suas dúvidas internas e a forma como a inevitabilidade de certas coisas se impõe muitas vezes à nossa vontade. Acima de tudo, este livro foi, como só alguns o conseguem ser, um bom escape para os problemas que tenho tido de enfrentar na vida real. Não se pode pedir muito mais.


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.