2014 Reading Challenge

2014 Reading Challenge
Célia has read 0 books toward her goal of 75 books.
hide

Estou a Ler

Newsletter

Arquivo

Creative Commons License This blog by Estante de Livros is licensed under a Creative Commons Atribuição-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.

Visitas desde 20/07/2007

[Opinião] ABC da Poupança, de Ana R. Bravo

Monday, December 22, 2014 Post por Célia

23903096Autor: Ana R. Bravo
Ano de Publicação:
2014
Editora: Vogais
Páginas: 284
ISBN: 9789896682439

 

Sinopse: Ana R. Bravo, especialista em economia doméstica, irá com este livro ajudá-lo a criar um novo estilo de vida. Um estilo assente na previdência, no controlo das suas despesas e no aumento da poupança, sem perder qualidade de vida. Para que isso aconteça, comece por criar o seu orçamento — etapa essencial em que fará o diagnóstico das suas finanças — e depois siga as dicas propostas. São mais de 1000 conselhos úteis e práticos que o farão poupar a carteira, a saúde e o planeta. Organizadas por temas, estas sugestões aplicam-se imediatamente a quase todas as situações da sua vida: da alimentação até aos impostos, passando pelas atividades lúdicas ou pela ocupação das crianças. Comece a poupar já! Descubra a forma mais prática e eficiente de:
- Anotar todas as despesas
- Tomar o pequeno-almoço em casa
- Reduzir as idas ao restaurante
- Aproveitar os cupões de desconto
- Escolher marcas brancas
- Reduzir a utilização do carro
- Fazer os pagamentos online
- Comprar em segunda mão
… e muito, muito mais! O manual prático de poupança doméstica que o ajudará a alcançar a paz financeira com que sempre sonhou.

 

Opinião: Nos dias que correm, “poupar” tornou-se uma palavra muito importante. Não sou purista nem tenho posições extremas sobre o assunto, mas tenho interesse por dicas em relação não só à poupança mas também à gestão e organização da casa e do orçamento familiar. Por isso, foi com naturalidade que este livro me despertou interesse e, depois de ler algumas coisas sobre ele, decidi adquiri-lo.

 

O livro encontra-se dividido por temas (compras do dia a dia, energia, tarefas domésticas, diversão e lazer, etc.), e dentro de cada um deles a autora dá dicas que podem ajudar a poupar dentro desta categorias, com a indicação da percentagem aproximada de poupança que se pode obter em cada uma delas. Acredito que estas percentagens se baseiem em algo, mas nunca é explicada a sua base. Mas, antes disso, a autora destaca a importância de se realizar um orçamento anual e um registo frequente de despesas, de modo a poder controlar-se e ter-se noção de onde se gasta mais dinheiro. Isto é acompanhado por quadro exemplificativos que a autora se oferece para disponibilizar após um pedido para um e-mail que fornece. Percebo que a autora queira limitar o acesso ao seu trabalho, mas acho que teria sido muito mais simpático para quem comprou o seu livro o acesso fácil a estes templates.

 

Tal como seria de supor tendo em conta o título do livro, este destina-se principalmente a quem não tem a mínima noção de poupança ou gestão financeira, e talvez tenha sido erro meu pensar que fosse mudar a minha vida para melhor, porque de facto não fazia parte do público-alvo. As dicas, apesar de válidas, não me me eram, na sua grande maioria, desconhecidas e por isso a leitura acabou por ser um bocado inútil. Pior, achei algumas coisas completamente descabidas, e o melhor exemplo que encontro é, na secção “Novo Bebé” sugerir-se a amamentação como dica de poupança. Não me parece que a decisão de amamentar alguma vez se faça em função de critérios de poupança: alguma mãe diz ou pensa “não estava a pensar amamentar, mas como vou poupar dinheiro faço esse esforço?” Se a mãe quer amamentar, amamenta porque traz benefícios ao bebé e a si própria, se não quiser amamentar lá terá os seus motivos e não é porque pode poupar uns euros que a decisão será diferente.

 

No final de cada um dos sub-capítulos é incluído um quadro que tem como função servir de espaço para anotações relativamente a esse sub-capítulo. Penso que teria suficiente um quadro por capítulo principal, porque deste modo acaba por parecer apenas uma forma de fazer o livro ganhar mais algumas páginas.

 

A linguagem simples e as dicas algo básicas fazem-me sentir tentada a apelidar este livro de “Dicas de poupança para totós” e, apesar de lhe reconhecer o mérito da utilidade para quem tem poucas noções sobre o tema e de, mesmo para quem já tem algum traquejo no assunto, ajudar a tomar consciência da importância da poupança de um modo geral, acaba por saber a pouco para estes últimos, grupo no qual me incluo.

 

Classificação: 2/5 – OK


Monthly Key Word 2015

Sunday, December 21, 2014 Post por Célia

 

 15854036895_c3087978fb_z

 

O Monthly Key Word Challenge apresenta várias palavras-chave para cada mês e deveremos escolher para ler nesse mês um livro que contenha uma dessas palavras ou palavras relacionadas. Para o desafio de 2015, organizado pelo Bookmark to Blog, as palavras são as seguintes:

 

Janeiro - Bird, Girl, Ever, Silence, Bad, Truth, End

 

Fevereiro - Key, Water, Lie, Chase, And, Once

 

Março - Kind, Face, Power, City, Blue, Night, To

 

Abril - Dream, Prince, Long, Wind, Rose, The, Rock

 

Maio - Ash, Road, Thief, Bend, In, Far

 

Junho - My, Together, Whisper, Win, Soul, Sleep

 

Julho - Sun, Unto, Energy, Fate, High, Look

 

Agosto - Fall, Boy, Glass, Heart, Lost, Now

 

Setembro - Color, Touch, Life, Day, How, Sweet

 

Outubro - Ghost, Home, Beach, Away, Test, Number

 

Novembro - Rise, Holiday, And, Little, Call, Dark

 

Dezembro - Space, Mirror, Over, Flower, Trap, Cold

 

À medida que os meses chegarem vou decidindo que livro será lido e colocarei neste post o link para as opiniões. 


Categorias: Monthly Key Word 2015

Livros ao Sábado (155)

Saturday, December 20, 2014 Post por Célia

 

tumblr_ngocztT25f1qkaoroo1_1280

Feliz Natal a todos!

(imagem daqui)


Categorias: Livros ao Sábado

[Opinião] The Sum of all Kisses, de Julia Quinn

Friday, December 19, 2014 Post por Célia

18742328Autor: Julia Quinn
Ano de Publicação: 2013
Série: Smythe-Smith Quartet #3
Páginas: 384

 

Sinopse: Hugh Prentice has never had patience for dramatic females, and if Lady Sarah Pleinsworth has ever been acquainted with the words shy or retiring, she’s long since tossed them out the window. Besides, a reckless duel has left this brilliant mathematician with a ruined leg, and now he could never court a woman like Sarah, much less dream of marrying her. Sarah has never forgiven Hugh for the duel he fought that nearly destroyed her family. But even if she could find a way to forgive him, it wouldn’t matter. She doesn’t care that his leg is less than perfect, it’s his personality she can’t abide. But forced to spend a week in close company they discover that first impressions are not always reliable. And when one kiss leads to two, three, and four, the mathematician may lose count, and the lady may, for the first time, find herself speechless… New York Times bestselling author Julia Quinn’s enchanting third novel in the Smythe-Smith quartet is guaranteed to make you laugh out loud and tug at your heartstrings in equal measures.

  

 

Opinião: Depois da desilusão com o segundo volume desta série, parti com algumas expectativas para o terceiro, não só porque o protagonista masculino tinha sido uma das personagens mais cativantes do livro anterior mas também porque as opiniões que li diziam que a terceira parte da série era francamente boa.

 

Hugh Prentice esteve envolvido no acontecimento que influenciou o rumo dos acontecimentos nos dois volumes anteriores: depois de um jogo de cartas que originou um duelo entre Hugh e Daniel Smythe-Smith e a lesão para toda a vida na perna de Hugh, Daniel teve de fugir para o estrangeiro de modo a evitar a ira do pai de Hugh. Desta vez, voltamos a recordar este incidente, mas sob a perspetiva de Hugh, à medida que o vamos conhecendo melhor e tomando consciência da sua extrema inteligência e aptidão para os números e a memorização (suponho que esta personagem teria Síndrome de Asperger).

 

Os dois pombinhos deste livro começam por se detestar: Sarah Pleinsworth (prima das irmãs Smythe-Smith) porque a questão do duelo evitou que pudesse participar nas famosas temporadas londrinas e, consequentemente, ter probabilidade de arranjar marido; Hugh porque a acha uma mulher irritante. Mas quando os dois são obrigados a passar tempo juntos por ocasião dos casamentos dos casais dos livros anteriores, começam a conhecer-se melhor e acabam por se apaixonar.

 

A parte que mais gostei no livro foi, de facto, toda a construção do romance que nunca parece apressada ou forçada. Hugh é uma personagem interessante e Sarah, apesar de não tanto, acaba por sair a ganhar pelo facto de a autora ter optado por trazer ao de cima o que os dois tinham de melhor por se terem apaixonado. 

 

Achei o twist a cerca de 3/4 do livro (e os acontecimentos que lhe sucederam) um bocado estranho e, de certo modo, não achei que condissesse com o tom do resto do livro. Percebo a intenção da autora em criar obstáculos ao final feliz e dar-lhe, assim, uma maior sensação de recompensa, mas os tais obstáculos caem um bocado no ridículo por parecerem forçados.

 

Ainda assim, foi uma boa leitura, que cumpriu minimamente aquilo que dela esperava, sendo mesmo o meu preferido dos três livros com que esta série conta até agora.

 

Classificação: 3/5 -Gostei


Categorias: 3/5, Célia, Julia Quinn, Opiniões

[Booking Through Thursday] Young Adult (YA)

Thursday, December 18, 2014 Post por Célia

Lês livros escritos para crianças ou adolescentes? Ou ficas-te pelos livros para adultos?

 

Lá ler até leio, mas gostar já é uma questão diferente. Não há como negar, o género young adult (YA) tem uma expressão considerável no mercado dos livros e é apreciado por pessoas de todas as idades. Pessoalmente, não me identifico com o género. Já fiz as mais variadas tentativas e na esmagadora maioria das vezes não fico satisfeita, pelo que já me convenci que a leitora e a pessoa que sou exige já outro tipo de livros, com um desenvolvimento de personagens mais adulto e um tratamento mais maduro de diversos temas. Portanto, nada contra quem lê e gosta de YA, mas como já disse por diversas vezes neste blogue, não é género para mim.