2014 Reading Challenge

2014 Reading Challenge
Célia has read 0 books toward her goal of 75 books.
hide

Estou a Ler

Arquivo

Creative Commons License This blog by Estante de Livros is licensed under a Creative Commons Atribuição-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.

Visitas desde 20/07/2007

Além Tejo

Saturday, April 19, 2014 Post por Célia

8610464Autor: Catarina Pereira Araújo
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 320
ISBN: 9789898032379

 

Sinopse: Estamos na década de cinquenta e a família de António do Couto Maia deixa Lisboa para se fixar em Moura, no Alentejo. A decisão é do chefe de família e surpreende tanto a mulher como as filhas, que não compreendem o que leva um homem de meia-idade a abandonar subitamente a sua confortável vida na capital para mergulhar num Alentejo desconhecido. É através do olhar de Isabel, a filha mais velha, que assistimos ao conflito entre dois mundos: o da cidade, representado pelos recém-chegados, e o mundo rural, que os recebe com desconfiança. Inicialmente atraída pela beleza da vila alentejana, a jovem é confrontada com a prepotência dos senhores e com a miséria dos camponeses, num lugar onde qualquer tentativa de midança é imediatamente esmagada. O seu sentido de justiça leva-a a colidir com Eduardo Leôncio Teles, o herdeiro da maior fortuna da região, iludindo, assim, a forte atracção que sente por ele. Ao mesmo tempo, Isabel envolve-se nos acontecimentos da vida rural, enquanto tenta descobrir o segredo que levou o pai a esconder-se no Alentejo, arrastando a família para uma existência tão difícil.

 

Opinião: Já tinha este livro em fila de espera há alguns anos e desde que soube que era inspirado nos clássicos ingleses “Orgulho de Preconceito” e “North and South”, mas com o enredo a basear-se em Portugal, o meu interesse aumentou. 

 

Viajamos até à década 1950, no auge do Estado Novo. A família Couto Maia, pais e duas filhas, vivem em Lisboa quando o patriarca da família, António, comunica à família que terão de mudar-se para Moura, sem contudo dar razões para tal. A filha mais velha, Isabel, sabe da importância de acompanhar os seus para onde quer que vão e deixa para trás a carreira de professora; Inês, a mais nova, namoradeira e com vontade de apenas se tornar dona-de-casa, faz um drama e só a muito custo segue a família. Já em Moura, Isabel conhece e antagoniza-se com o dono da propriedade para onde o pai vai trabalhar, e desde o início que toda a gente sabe como a história dos dois vai terminar. Entretanto, Isabel fica sensibilizada com as precárias condições de vida dos trabalhadores da região e com a pouca escolaridade da maioria, fazendo sempre questão de revelar sem pudores as suas ideias em relação ao papel da mulher na sociedade e revoltando-se ela própria com o que parece o destino marcado de todas: tornar-se dona-de-casa.

 

Parti para a leitura deste livro esperando encontrar nele os elementos que me cativaram nos livros que lhe serviram de inspiração. Contudo, as semelhanças são tão evidentes que tenho quase vontade de dizer que é um retelling dos mesmos. A fuga misteriosa para outro local do país por vontade do pai, o encontro entre os protagonistas marcado por uma agressão dele a um seu subordinado, as dicotomias entre os locais de origem dos protagonistas e as preocupações sociais da protagonista são coisas que vimos em “North and South”; a cena final inspira-se não na cena final do livro, mas na da mini-série. A mãe fútil, a irmã que vê o seu apaixonado ser afastado por uma familiar que não os quer juntos, uma personagem secundária que engana a protagonista com o seu charme para mais tarde se vir a revelar um canalha do pior, o orgulho da protagonista e o preconceito do protagonista: tudo isto pertence a “Orgulho e Preconceito”. Isabel é obviamente uma mistura entre Margaret Hale e Elizabeth Bennet, mas Eduardo fica, quanto a mim, a milhas de distância de um John Thornton ou de um Mr. Darcy.

 

Pessoalmente, nunca consegui olhar para esta história por ela própria e a falta de originalidade incomodou-me. Claro que gostei do toque português e da preocupação da autora com a caracterização do modo de vida das pessoas mais simples da época em que situa a sua história, mas sendo este um livro sobre pessoas o enredo raramente se desvia muito das personagens e dos seus dilemas. Gostei das personagens, apesar de por vezes as ter achado estereotipadas, e o livro lê-se muito bem, com uma escrita cuidada, ainda que quanto a mim tivesse a ganhar em adotar mais vezes a técnica “show, don’t tell“.

 

Portanto, apesar de ter sido uma leitura longe de marcante, acabou por ser agradável e permitiu-me tomar contacto com uma autora portuguesa que desconhecia. 

 

Classificação: 3/5 – Gostei


Livros ao Sábado (120)

Saturday, April 19, 2014 Post por Célia

tumblr_mxm5clrRqb1qb0j8no1_500

Visto aqui.


Categorias: Livros ao Sábado

The Gunslinger

Tuesday, April 15, 2014 Post por Célia

5098Autor: Stephen King
Ano de Publicação: 1982
Páginas: 238
Editora: New English Library
ISBN: 9780340829752


Sinopse: 
In the first book of this brilliant series, Stephen King introduces readers to one of his most enigmatic heroes, Roland of Gilead, The Last Gunslinger.

He is a haunting figure, a loner on a spellbinding journey into good and evil. In his desolate world, which frighteningly mirrors our own, Roland pursues The Man in Black, encounters an alluring woman named Alice, and begins a friendship with the Kid from Earth called Jake. Both grippingly realistic and eerily dreamlike, The Gunslinger leaves readers eagerly awaiting the next chapter.

 

Opinião: Nunca tinha lido nada de Stephen King antes de ter pegado neste livro. Não por algum motivo em especial, até porque para além deste tenho também A Luz em fila de espera, mas porque pura e simplesmente ainda não tinha calhado. Expectativas eram muitas, porque é um autor normalmente tido em boa conta por leitores e críticos, por isso foi com bastante entusiasmo que iniciei esta leitura.

 

A minha é uma edição revista deste livro que saiu originalmente em 1982. Mais de 20 anos após ter saído, Stephen King decidiu fazer alguns ajustes na história, principalmente para eliminar incoerências relativamente a livros posteriores da série e adicionar algumas coisas que ele entendeu valorizarem o livro, como explica no prefácio. Contudo, essas alterações, diz ele, não alteram de forma significativa nem a história nem o estilo de escrita.

 

A personagem principal do livro é precisamente o pistoleiro a que o título alude. No início da história, Roland (assim é o seu nome, apesar de só ser revelado mais à frente da narrativa) encontra-se no deserto e sabemos que persegue um homem vestido de negro, que é perito em apagar o seu rasto, deixando para trás apenas aquilo que quer que Roland encontre. Esta perseguição é o enredo central do livro, mas apesar disso o leitor mal vislumbra os motivos que a originaram. Sabemos que esse homem é um feiticeiro, que a perseguição está, de algum modo, relacionada com o passado de Roland e com a existência de uma Torre Negra, mas é só isto.

 

Percebo que o autor tenha tentado criar uma aura de mistério em redor da personagem e da sua demanda, mas acho sinceramente que exagerou. É suposto o leitor sentir-se intrigado pelas motivações da personagem, pelo mundo pós-apocalíptico com toques de western, e de facto senti-me intrigada. Mas quando percebi que este primeiro volume não me traria praticamente respostas, fiquei desiludida. Ao longo do seu caminho, Roland vai encontrando algumas personagens interessantes e vão surgindo acontecimentos que levam a flashbacks da sua vida Roland, e isto sem dúvida ajuda a torná-lo uma personagem mais real e próxima do leitor. Contudo, para mim isso nunca foi suficiente. Foi esta conjugação de enredo e contexto vagos com uma personagem central que não despertou o meu interesse que me levou a não apreciar este livro. De um modo geral, até gostei da escrita. Achei-a crua, intrigante e, por vezes, poética. Mas lá está, o enredo e as personagens não me agarraram e só isso acabou por não ser suficiente para mim. 

 

Não pretendo desistir de Stephen King, apesar de não ter apreciado este livro. A série não é para continuar (apesar de já ter lido algures que o primeiro livro não é o melhor da série e que para a frente fica bem melhor), mas pretendo ler outras coisas do autor. Se tiverem sugestões, serão bem-vindas.

 

Classificação: 2/5 – OK


Livros ao Sábado (119)

Saturday, April 12, 2014 Post por Célia

tumblr_mcm86kR16E1qhg6kno1_500

Visto aqui.


Categorias: Livros ao Sábado

Outras Leituras (11)

Friday, April 11, 2014 Post por Célia

Outras-Leituras

 

Em português:

Em inglês:


Categorias: Outras Leituras